O RETORNO DAS COLIGAÇÕES PARTIDÁRIAS - FARINHA POUCA, MEU PIRÃO PRIMEIRO!

Com o claro objetivo de manterem seus mandatos, os Deputados Federais, em votação realizada em primeiro turno, aprovaram o retorno das coligações partidárias, já para as próximas eleições gerais de 2022.

A Emenda Constitucional n.º 97/017, votada no Congresso Nacional, pelos próprios parlamentares, havia determinado o fim das coligações partidárias nos pleitos para cargos proporcionais e valeu para as eleições municipais de 2020. Com isso, os candidatos a vereador disputaram o cargo por meio de chapa única dentro do partido pelo qual estavam filiados, o que trouxe muitas novidades, como por exemplo a redução significativa de partidos com candidatos eleitos, uma vez que não conseguiram atingir o chamado coeficiente eleitoral. 

O resultado dessa “experiência” acendeu uma luz vermelha nos gabinetes das direções dos partidos que, acostumados a “pegar carona” em outras siglas, sofreram derrotas fragorosas, deixando de eleger candidatos e com isso, reduzindo seu capital político e sua força de barganha.

O fim das coligações proporcionais delega ao eleitor um maior poder de decisão quanto ao projeto político que quer apoiar, pois ao escolher um candidato, também estará definindo qual partido político ele quer beneficiar com o seu voto, diferentemente do que ocorre nas eleições com as coligações.

Em verdade, as eleições municipais de 2020 serviram como observatório para os que irão concorrer nas próximas eleições de 2022, e como o resultado foi desastroso para alguns partidos, agora resolveram novamente mudar as regras do jogo.

Na nova votação na câmara dos Deputados, apenas 5 partidos mantiveram suas posições iguais as que tiveram na reforma anterior, ou seja, foram novamente contrários as coligações partidárias (Cidadania, PDT, PSD, PSL e REDE), os demais, em sua totalidade ou em sua ampla maioria, parece que sofreram da chamada “amnésia em causa própria”.

O retorno das coligações partidárias proporcionas se configuram em um verdadeiro retrocesso, pois em sua grande maioria, têm apenas a finalidade eleitoral, sem observar as bases programáticas dos partidos. Favorecem a proliferação das chamadas “legendas de aluguel”, ou servem para acomodar e proporcionar a eleição de candidatos, cujos partidos sozinhos, não conseguem conquistar a atenção e o voto dos eleitores.

Os deputados, sem pudor nenhum, atendendo apenas aos interesses pessoais, alteram mais uma vez a legislação eleitoral, deixando claro para o povo brasileiro que a preocupação não é aprimorar o sistema político, mas tão somente a manutenção dos seus próprios mandatos, com todos os privilégios e influências.

Envoltos em um misto de egoísmo e sede pelo poder, nossos Parlamentares Federais deram sentido ao conhecido ditado popular: “Farinha pouca, meu pirão primeiro!”

Por Mamed Dankar.

2 comentários:

  1. Ninguém quer perder a teta do leite fácil. O povo que lute, pra viver sem o apoio dos que eles apoiaram. Está é a realidade 😔

    ResponderExcluir
  2. In today’s CNC protocols, the production of components through pre-programmed software program is generally automated. The dimensions for a given half are set into place with computer-aided design software program and then converted into an precise completed product with computer-aided manufacturing software program. New tooling is usually a Elongated Toilets bottleneck in getting new manufacturing operations up and running on time, significantly as engineers usually must accommodate last minute design modifications. Additive manufacturing can get rid of the tooling bottleneck by considerably shortening the supply lead time. No need to fret about sort of|this sort of|this sort of} problem on your customized components should you select ZhuanXin Precision.

    ResponderExcluir